Pular para o conteúdo principal
Docente
Valéria Helena Alves Cagnon Quitete

O laboratório de Biologia da Reprodução tem nos últimos 15 anos estudado as alterações do microambiente prostático como as lesões proliferativas associadas ou não ao processo de envelhecimento. A dinâmica do estroma prostático bem como as interações epitélio-estroma têm sido focos de estudo, visto o papel decisivo desses no desenvolvimento e progressão do adenocarcinoma da próstata, associado a processos como inflamação, angiogênese, estresse oxidativo. Nesses estudos, o uso de diferentes terapias, incluindo produtos naturais, como a jabuticaba, e um modelo de camundongo transgênico para o adenocarcinoma de próstata (TRAMP) são utilizados em conjunto com técnicas de imunohistoquímica, Western Blotting, microdissecção, morfologia, estereologia e PCR. Estudos in vitro com células prostáticas humanas andrógeno-dependente e andrógeno-independente têm sido avaliados, particularmente, considerando a relação entre o câncer de próstata e os processos de angiogênese, inflamação e estresse oxidativo.

Docente
Paulo Guimarães Gandra

O nosso principal interesse é o estudo de mecanismos celulares regulando a função contrátil do músculo esquelético e o metabolismo energético durante a estimulação e desenvolvimento de fadiga.
Nós estamos utilizando um modelo de fibras musculares esqueléticas intactas isoladas que permite a realização da medida da força gerada por uma única célula muscular e a análise de parâmetros intracelulares por microscopia de fluorescência em tempo real durante a contração.
O nosso objetivo a longo prazo é de trazer novas informações que poderão ser utilizadas em diferentes estratégias visando melhorar a função do músculo esquelético e a capacidade de exercício em diferentes condições pato-fisiológicas.

Docente
Elaine Minatel

Líder do grupo de pesquisa em Plasticidade Muscular, desenvolvendo trabalhos que avaliam os aspectos morfofuncionais, moleculares e o comportamento das fibras musculares estriadas esqueléticas 'in vitro e in vivo' em várias condições experimentais, utilizando-se de técnicas histoquímicas, bioquímicas, imunofluorescência e de biologia molecular.